sexta-feira, 13 de julho de 2018

É assim que nos amamos


Às vezes dizes-me  que não entendes o meu coração, a minha alma...
Outros dias dizes-me que não percebes como consigo viver sempre tão intensamente tudo...


A verdade é que eu não sei viver de outra forma...
Vem aí uma nova fase, não sei o que nos espera, (coisas muito boas claro) a ansiedade assombra-me nestes dias em que contamos a chegada de mais uma filha, uma filha desejada, uma filha amada e feita num acto único de amor puro com a certeza do que queríamos!

Esta nova fase não foi fácil para mim... mas eu sei que também não foi para ti, não a carregas-te durante 9 meses, mas sentis-te o nervoso miudinho quando anunciei o positivo, sentis-te o nervoso miudinho o na primeira ecografia em que nada se via, e na segunda em que nada aparecia, e no dia em que te liguei a chorar porque não se via nada dentro daquele saco e tu confiante disseste eu sei que vai correr bem!

E no dia em que aquele saco continha uma bola eu chorei e muito porque sabia que agora algo crescia dentro de mim dentro de nós, mas a verdade é que não sabia se o que crescia estava bem, cada ecografia, cada teste feito (e fizemos todos) foi a vida que nos ensinou da pior maneira que tinha que ser assim, foi uma conquista...um sucesso... cada etapa era um sossego bom!

Mas foram sempre as incertezas, os medos de tudo o que tínhamos vivido com o nosso guerreiro que nos ilumina a cada dia e às suas manas que nos assombrou durante este tempo, ouve dias em que me disseste com tristeza que estava insuportável, eu sei e estava mesmo, mas não consegui gerir toda a emoção que esta gravidez nos trouxe doutra forma, mas também soubeste encaixar-te no meu estado insuportável com uma perfeição incrível!

Tudo passou e agora contamos os dias faltam poucos muito poucos...

E nós? No meio deste turbilhão onde ficámos? Sabes do que me orgulho? É que ficámos exactamente no mesmo sítio onde estávamos,  no sítio do amor eterno onde o “até velhinhos” sabe bem ouvir, ficámos exactamente no mesmo sítio onde o amor não se perdeu e existe em quantidade suficiente para dar, também se não for assim como seria?

No meio deste turbilhão de emoções dou-me conta agora do quanto superamos, do quanto nos soubemos encaixar,  mas a verdade é que amar dá trabalho, amar dá um nó na garganta muitas vezes, aperta o coração como se um enfarte fossemos ter, e não é apenas com uma flor ou meia dúzia de palavras que se consegue encaixar este amor tão intenso, este amor de  quase 18 anos!

Somos guerreiros do amor e sabes do que mais tenho orgulho também? Do trabalho que temos para travar as nossas guerras sem nunca perdermos as nossas maiores armas e no fim encaixamo-nos que nem um puzzle  e dançamos a nossa própria música...

No meio deste turbilhão de emoções de amor, de sede de amar, de saudade de amar, existe um par imperfeito que se esforça não para ser perfeito mas para se encaixar na imperfeição e enganam-se se acham que amar não dá trabalho que não exige esforço!

Que as nossas filhas tenham a certeza desta soma que fizemos, que saibam que para sermos quatro existiu e existe um par único que em conjunto deu esta soma linda e que tanto nos orgulhamos!!!

 Às nossas duas filhas quero que um dia amem e sejam amadas desta forma façam da vossa cara metade o vosso príncipe e que ele vos faça de princesas, não precisam de castelos e muito menos de cavalos brancos precisam apenas de saberem de onde vêem e para onde vão, encaixarem-se e dançarem ao som do vento, serem aprendizes da felicidade e do amor!

 (Foto tirada há 16 anos)

Sem comentários:

Enviar um comentário