quinta-feira, 30 de junho de 2016

Tu transformas o nosso Mundo!

Hoje acordamos sem presas, acordas-te cedo mal o pai saiu mas depressa aninhas-te na nossa cama e dormimos até nos apetecer.

Quando acordei fiquei a olhar para ti, a pensar em ti. Apareces-te nas nossas vidas sem bateres na porta, foste muito desejada e planeada mas é sempre uma surpresa.

Observei-te aí por uma hora seguida, e se dúvidas houvessem (que não existem) eu sou apaixonada por ti, o Pai nem se fala és de facto a menina do Papá!

Entraste nas nossas vidas e trouxeste contigo outro significado da vida, fizeste com que acreditasse no amanhã, que acreditasse ainda mais que é possível alcançar o que sonhamos, que é possível alcançar o que desejamos.

Agarrei-me a ti de tal forma ainda dentro da minha barriga que deixei que mudasses o nosso mundo e ainda bem.

Com 4 anos acreditas mais em mim que eu própria, adoro ouvir-te dizer :"Tu consegues mamã", pois... umas vezes consigo outras não mas nos teus olhos a mamã e o papá conseguem sempre tudo e ainda bem!

A mãe por enquanto continua em casa para uma uma melhor recuperação e claro está que vais ficar comigo, vão ser dias sem pressas sem horários, sem stress, aproveitar este bocadinho, não vão ser férias mas vão ser uns dias muito bons de muitos mimos abraços, brincadeiras e muita diversão.

Ontem enquanto a mãe estava na consulta o Pai foi passear contigo e que belo passeio, tive pena de não participar, mas vinham os dois tão felizes que o meu coração ficou completo.

Obrigada por teres crescido dentro da minha barriga, obrigada por teres nascido e obrigada por nos fazeres tão felizes.





 
Esta tunica maravilhosa da Bechamel é linda e a mãe ontem vestia uma igual :)





terça-feira, 28 de junho de 2016

Descobrimos que és envergonhada mas Feliz, assim esperamos!


Hoje foi dia de festa no teu colégio!

Passaram 4 anos iniciaste aos 6 meses na creche, a mãe e o pai eestavam com as emoções ao rubro, medos, receios, mas tu nunca choras-te, entravas ao colo ias para o colo da Dulce ou da Fernanda e ficavas uma bebé tranquila, meiga, alegre, tudo isto pasou e  rapidamente passas-te para o Jardim de Infância e aquilo que poderia ter sido fácil foi na verdade o mais complicado.

Deixar-te no colégio era uma tortura, tu não choravas Baby Be tu gritavas "Mãe não me deixes aqui..." oh meu deus é isto que sentem os pais? Dizia eu, a verdade é que já tinha ouvido aquela frase na boca de outros meninos e dizia sempre aos pais eu sei que dói mas ele ou ela ficam bem acreditem, e sim é verdade ficam mesmo, mas é difícil e eu ainda não era mãe mas sabia que era difícil e compreendia cada mãe cada pai que saía de lágrima no olho e me pedia para ligar daí a 10 minutos. Eu fiz tudo isto e depois de chorar até ao trabalho sabia tão bem aquela chamada da Educadora Rita a dizer-me que estava tudo bem. Tudo nos passa na cabeça nestes momentos, confesso que ponderei mesmo mudar-te de colégio, mas com o tempo com algumas dicas sim porque mesmo sendo a minha área todas as dicas são importantes, o dia-a-dia tornou-se cada vez mais fácil e do choro vieram os risos, todo o pessoal docente e não docente ajudou neste processo e a eles só temos que agradecer!

Hoje foi dia de ver o que tanto se faz ao longo do dia no colégio, uma festa de final de ano diferente mas muito interessante, um bocadinho de cada "aula" que tens, o inglês, a educação para o movimento, a música, a iniciação à matemática, o estudo do meio e muito mais, conseguimos ver como te divertes durante o dia, mas também conseguimos ter uma perceção de como és no colégio, melhor do que o feedback que nos dão é vermos e sentirmos, e afinal não és a mesma Baby Be que és em casa com a família e com os amigos.

Entras te e ali ficas te toda a manhã muito calada, introvertida e eu e o pai olhávamos um para outro e dizíamos onde está ela? Porquê? Apenas feitio ou algo mais? Vou pensar que é só feitio, as aprendizagens essas estão lá, mas a nós isso é o que menos nos importa.

Por norma diria a um pai ou uma mãe de um aluno meu que é tudo normal apenas é mais envergonhada e atento, mas aprende tudo muito rápido, sim e sei que é isto que nos vão dizer e que até corresponde a verdade, mas como diz o ditado "olhos que não veem coração que não sente" e neste caso os nossos olhos viram e o nosso coração ficou do tamanho de uma ervilha!

Vamos deixar a idade avançar mais um bocadinho e esperar, com a certeza porém que és Feliz mesmo envergonhada!

A verdade é que já vais para o Bibe Encarnado nem queremos acreditar mas faz parte, Parabéns querida Baby Be!

quinta-feira, 23 de junho de 2016

"O que os nossos filhos vão-se esquecer"

O título deste post não é meu ... Chegou-me às mãos através de um amiga...um texto em Italiano de um blog Italiano... Unamammagreen
Li, voltei a ler e ler, traduzi e não podia ter gostado mais entretanto encontrei já traduzido e publicado aqui nesta página que sigo e adoro todos ou quase todos os textos. Uptokids

Queria acreditar que nunca te ias esquecer dos beijos, das cócegas, dos meus abraços apertados, do esquilo maluco que o Pai faz...
Queria acreditar que serias a minha bebé para sempre...

Enfim no fundo era um acreditar sem acreditar, e tu quando cresceres vais entender melhor tudo isto.
Quando a tua avó me dizia a maioria das coisas que te digo agora eu também não ligava, não percebia ou não queria perceber, mas chega um momento em que tudo começa a fazer sentido:)

O tempo este tempo malandro que corre sem nunca parar, que nos faz muitas das vezes perder o que deveria ser imperdível!

O tempo este tempo que nos dá mas também nos tira...

Uma coisa é certa todos crescemos, todos deixamos de acreditar em algumas coisas, todos nós esquecemos de algumas fases da vida, mas nunca em momento algum deixes de acreditar que o Pai e a Mãe não te podem proteger, não te podem dar colo, não podem limpar as tuas lágrimas ou agarrar a tua gargalhada, nós podemos sempre e cada vez melhor, sempre de coração aberto para ti!

Enquanto o tempo não passa nós aproveitamos e gravamos todos os teus minutos de crescimento.

Amo-te Baby Be!

Deixo-vos o texto aqui pois não o podem mesmo perder nem tu Baby Be um dia mais tarde:

"O Tempo é um animal estranho. Assemelha-se a um gato, agindo como lhe apetece. Manhoso e indiferente, corre quando imploras que pare, e permanece imóvel quando rezas que ande depressa. Às vezes morde enquanto ronrona, ou lambe-te com uma língua áspera. Coça-se enquanto o beijas.
O tempo, irá libertar-me lentamente da extenuante fadiga de ter filhos pequenos, das noites sem dormir e dos dias sem descanso. Das mãos papudas que não param de me agarrar, que me trepam pelas costas, que me procuram sem restrições nem hesitações. Do peso que me enche os braços e me curva as costas. Das vezes que me chamam e não permitem atrasos nem esperas. Vou voltar ao ócio vazio de domingo e as chamadas telefónicas sem interrupções, o privilégio e o medo da solidão.
O tempo, certamente e inexoravelmente irá arrefecer outra vez a minha cama, agora quente dos corpos pequenos e respirações rápidas. O tempo vai atenuar os olhos de meus filhos, que agora transbordam de um amor poderoso e incontrolável. Vai apagar a palavra mãe dos seus lábios, gritada e cantada, chorada e pronunciada cem mil vezes ao dia.
Vai apagar, pouco a pouco ou de repente, a familiaridade da sua pele com a minha, a confiança absoluta, o mesmo cheiro, usado para misturar o nosso humor, o espaço e o ar que respiramos. Assumir, em parte e para sempre, o pudor, o julgamento, a vergonha. A consciência adulta das nossas diferenças.
Como um rio que escava seu leito, o tempo minará a confiança que têm em mim, a forma como os seus olhos me vêem, capaz de parar o vento e acalmar o mar, consertar o irreparável, curar o incurável e ressuscitar da morte!
Com o tempo vão deixar de me pedir ajuda, porque deixarão de acreditar que eu possa salvá-los. Vão parar de me imitar, porque vão querer não ser parecidos comigo. Deixarão de preferir minha companhia, optando pela dos amigos, e Deus queira que não esteja enganada!
Paixões se dissiparão, as birras e os ciúmes, o amor e o medo. Vão-se apagar os ecos das gargalhadas e das canções, as sestas e os “era uma vez”… Com o passar do tempo, os meus filhos vão descobrir que eu tenho muitos defeitos, e se eu tiver sorte, também vou perdoar alguém.
Sábio e cínico, o tempo vai trazer o esquecimento. E os meus filhos vão esquecer-se mesmo daquilo que eu nunca esquecerei. As cocegas e as corridas, os beijinhos nas pálpebras e as lágrimas silenciadas com um abraço. As viagens e os jogos, os passeios e as febres altas. As danças palermas, os bolos de aniversário e os mimos durante o sono.
Os meus filhos vão esquecer-se que os amamentei, que os embalei durante horas, que os carreguei nos braços e das vezes que andamos de mãos dadas. Que lhes dei de comer e os consolei, que os amparei depois de cem quedas. Vão esquecer-se que dormiram no meu peito dia e de noite, e que houve uma altura que precisavam tanto de mim como o ar que respiram.
Os meus filhos vão esquecer-se de tudo isto, porque assim é a vida, e estas são a exigências do tempo.
E eu, eu terei que aprender a recordar-lhes tudo, com ternura e sem arrependimentos. Livre. E que o tempo, manhoso e indiferente, seja gentil com esta mãe que não se quer esquecer."
Por Silvana Santo – Una Mamma Green,
traduzido por Up To Kids®

terça-feira, 21 de junho de 2016

Poupar no Supermercado com a Makeitcheap

Poupar uma palavra muito usada na nossa casa, certamente vais crescer e vais lembrar-te desta palavra como quem se lembra de calçar os sapatos antes de sair de casa.

A mãe nunca ligou muito, mas com o passar do tempo o pai que adora poupar foi passando o bichinho para a mãe e agora tentamos passar para ti.


Mas a verdade é que faz todo o sentido independentemente da conta bancária.


Independentemente de poupanças por cá nunca fomos a um supermercado ou superfície comercial em que tivéssemos a obrigação de trazer algo para ti, mesmo que pedisses sempre te explicamos o porquê de não comprarmos e tu nunca fizeste uma birra por estes motivos. (e ainda bem, porque não tinhas ganhos nenhuns com isso)

Ainda agora que o verão chegou e em força, vamos mais a esplanadas e quando vamos a praia uma vez por outra gostamos de ficar nos chapéus de palha nas espreguiçadeiras, (como tu adoras !) sem dúvida mais prático, mas também dispendioso e por isso fazemos de vez em quando, podemos lá estar o dia inteiro que tu não pedes nada se a Mãe e o Pai não perguntarem se queres por exemplo um gelado tu também não o pedes, e isto é tão mas tão bom, pois dá-nos uma liberdade enorme para irmos a qualquer lado sem medos. Temos alguns amigos e familiares onde o exemplo é exactamente ao contrário e isso torna-se muitas das vezes um stress para os pais.

 Obrigada Baby Be por mais esta qualidade que nunca a percas!
 
Por isso hoje a mãe vai deixar aqui uma dica para quem nos segue uma app muito útil com todas as promoções existentes em vários supermercados chama-se Makeitcheap já seguimos há muito tempo.
Para quem não conhece e tem paciência para os vales esta página é muito útil Poupadinhos e com vales
E antes de seguirmos a primeira app seguíamos a Promoclick que entretanto desapareceu mas era muito útil também.

 
Espero que utilizem tanto quanto nós, por aqui dá imenso jeito mesmo!

Já dizia um dos filhos de um milionário português que detém uma cadeia de supermercados "tudo o que seja superior a 1 euro já é caro" a mãe ouviu esta frase devia ter uns 25 anos ou menos e nunca a esqueceu, e é tão importante estes valores, a riqueza faz-se poupando disso não há dúvidas!

 

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Às vezes só precisamos que alguém acredite em nós


Sou Educadora de Infância, um curso que tirei com orgulho e muita dedicação, com ajuda e muito esforço por parte dos meus pais! 

Mas sim Baby Be tens razão e a mãe não ensina crianças no hospital, esta foi a outra pergunta difícil que fizeste à mãe neste dia Aqui .

Faz-te confusão se calhar não sei ou então é apenas a tua curiosidade, mas de facto a mamã não ensina crianças no hospital, trabalhar neste local foi uma oportunidade que surgiu para fazer face a difícil caminhada que é ser docente no nosso país.

Uns falam da geração do desemprego, outros justificam com a crise, não te sei explicar bem sei apenas dizer-te que para a mãe não tem sido fácil, mas não é por isso que deixarei de ter orgulho na Licenciatura que tirei! 

Se gosto deste novo desafio como muitos perguntam sim gosto, mas gostava de ter outros objetivos para mim sabe a pouco, sempre fui desafiante comigo mesma, sempre gostei de aprender mais e mais e nesta aventura de mudar de área profissional, para conseguir fazer uma carreira colocando de parte o curso que tirei tornou-se tarefa muito difícil, pois quando tiras um curso de gestão as empresas dão-te oportunidade de seguires várias áreas e desta forma tens uma evolução profissional e económica muito boa, o mesmo acontece em cursos de marketing, contabilidade, entre muitos outros, mas quando tiras um curso na área da educação as empresas ou os diretores de RH das empresas acham que ser Professor ou Educador com os mesmos anos de estudo de tantos outros cursos, não serve para muito mais, ou seja é difícil evoluíres ou mesmo concorreres a oportunidades melhores onde tu própria vês que até conseguias fazer aquela ou outra tarefa, até conseguias chegar onde tantos outros chegaram, eu continuo a acreditar e a lutar para chegar lá e foi neste grupo enorme que a mãe apostou e acho que não me vou desiludir.

Às vezes só precisamos que alguém acredite em nós e nas nossas capacidades, precisamos apenas de uma estrela e com esforço dedicação e muito trabalho chegamos lá, pelo menos eu tenho a certeza que chegaria lá se alguém de facto acreditasse em mim.

Este novo desafio não tem sido fácil por vários motivos são os horários rotativos, fins de semana, ordenados muito baixos, factores que todos juntos fazem a mãe não estar tão satisfeita como gostaria, mas o amanhã ninguém sabe como vai ser por isso vamos esperar. 

Agora tu pensa bem antes de escolheres, pensa com o coração mas também com o olho no futuro.

Eu e o pai vamos estar sempre aqui para te apoiar e ajudar.

Que as minhas pedras no caminho sirvam para tu construíres uma estrada que leve onde tu mais desejares! 



Fomos até ali e não queriamos voltar...

Todos nós adoramos férias, cheiram a 100% familia, a descanso, a sol, a praia, a amigos e muito mais.

Este ano sei que ficas-te triste porque os planos foram alterados e já não fomos para aquele hotel que tanto querias, a mãe magoou-se e férias nem vê-las para já, fisioterapia todos os dias para ver se tudo isto passa rápido, mas com tanto calor que fez decidimos ir arejar um bocadinho no tempo livre e assim foi.

Nada de telemóveis, nada de internet... Seria possível?

Claro que sim ( o pai não resistiu tanto ) mas que soube muito bem ai isso soube, um fim de semana com feriados que ficou mais comprido.

Fomos para perto bem pertinho, muita praia, passeios de bicicleta, visitas ao parque infantil já de noite (como adoras-te esta saída), gelados , bolas de Berlim, e muito muito mimo (mais ainda).

No fim ouvimos estas palavras tuas Baby Be e souberam-nos tão bem:

"Estou tão feliz mamã, papá não vamos voltar pois não"

Não voltariamos com toda a certeza, mas temos responsabilidades e lá tivemos que voltar...

Falando um pouco destes 4 dias a realidade é que estás mesmo crescida, consegui nestes 4 dias ler um livro na praia, algo que desde que fui mãe ainda não tinha conseguido, uma dificuldade deste mundo maravilhoso da maternidade!

Adoras àgua, areia e brincadeiras eu e o papá adoramos brincar contigo e estes dias sabem-nos sempre a pouco!

Estes dias foram fantásticos foi só até ali mas não queriamos voltar!




terça-feira, 7 de junho de 2016

Aproveitar o teu sorriso!

Este fim de semana foi tranquilo, esteve bom tempo e tentamos aproveitar ao máximo.
Fomos a casa da avó Valina mas ficaste triste pois os primos não estavam, mas como sempre deste a volta por cima e divertiste-te à grande, cada vez tenho mais a certeza que já aprendeste a brincar sozinha, isto ser filho único foi coisa que a Mãe nunca quis mas para já tem de ser.

Passeamos muito no sábado e no domingo ficamos em casa pois andas a dormir tão mal outra vez que até tu não quiseste sair.

Domingo foi então dia de muito sofá, muito mimo, pequenos-almoços na cama, dia de culinária, de muitas brincadeiras e descanso.

Estás a ficar grande Baby Be, mesmo grande no domingo foi também o dia das perguntas difíceis, e tu és perita nisto, algumas ficaram sem resposta desculpa um dia mais tarde vais ler as respostas. Esta foi uma das perguntas:

-" Mãe quando vais morrer?" Resposta "um dia quando estiver velhinha "

Menti-te filha, posso morrer hoje, amanhã velhinha ou nova, mas não precisas de saber isso agora, quando acontecer se ainda não tiveres idade alguém te vai explicar.

O melhor mesmo é aproveitarmos a vida! Aproveitar este teu sorriso lindo.

A outra pergunta que nos fizeste amanhã escrevo-te sobre isso.

Beijinhos
Fotografias da autoria da Catarina Fernandes






domingo, 5 de junho de 2016

Prometi não gritar!

Todos já gritamos alguma vez na vida.

Uns gritam por raiva, uns gritam de alegria, outros de tristeza e outros gritam porque gritam.

Quando temos filhos a perspectiva da vida muda, e parece cliché mas é verdade aquilo que somos, aquilo que dizemos, as acções que temos vão ser o espelho da educação das crianças que nos rodeiam.

Quando fui Mãe tudo mudou e fiz-te uma série de promessas , uma delas foi não gritar! 

Não, não cumpri e já perdi algumas vezes o norte com as tuas birras, com o teu feitio tão torto, mas quando terminamos estes breves segundos arrependo-me sempre da forma como actuo, e lembro-me de uma dessas vezes (foram muito poucas) ter-me encostado há noite na almofada e pensar : 

"Onde ficou a promessa? Onde estão as práticas de tudo o que estudei?  De tudo o que li, de tudo o que sempre disse não ia fazer?"

Nesse dia fui ao teu quarto durante a noite uma dezena de vezes, arrependimento? Culpa? Não sei, sei que foi nessa noite que prometi mais uma vez não ia gritar mais contigo, mesmo que, com esse teu feitio me tires do sério e tu sabes Baby Be que muitas das vezes consegues.

E gostava que todos os adultos fizessem isto, mas infelizmente é o contrário os adultos gritam mais que as crianças, os adultos têm gestos que não deveriam ter, os adultos por vezes tornam -se pais sem saberem o que esta palavra acarreta.

Quanto o adulto tiver a coragem para se baixar ao nível da criança tudo tomará um rumo diferente, aquela birra começa a ter significado e antes de gritarem com a criança ou simplesmente dizerem como oiço tantas vezes na rua "grita mais alto que não estou a ouvir" vão conseguir perceber que aqueles gritos têm um significado e que na maioria das vezes um abraço é suficiente! 

Cá em casa damos muitos abraços, falamos baixinho (ou vamos tentamos) e sorrimos muito, a técnica do dedo é fantástica e funciona bem quando por vezes ainda temos uma birra não é Be?!

(Dedo polegar para cima:  dedo feliz; Dedo polegar para baixo: dedo triste - quando a Be começa a fazer uma birra sem dizer nada baixamo-nos a altura dela olhos nos olhos e mostro dedo triste automaticamente ela começa -se a rir e pede o dedo feliz e conseguimos então conversar com calma) 


Mas quando um dia leres este texto quero que percebas que o importante de tudo isto é que:

- nunca é tarde para deixar de gritar;
- que a vida é muito curta para perdermos o controlo e a calma apenas porque o copo caiu e sujou o chão ou simplesmente porque não sabemos do brinquedo;
- não importa o que aconteceu ontem, hoje começa um novo dia! 

A paz constrói pontes que nos vão ajudar a atravessar caminhos com mais dificuldades! 







sexta-feira, 3 de junho de 2016

Como cresceste Baby Be... 4 anos de ti

Fez 4 anos dia 4 de Maio, um dia maravilhoso, único, inexplicável...
Não foi neste dia que te amei como devia, não foi neste dia que senti que ser Mãe era algo melhor que qualquer outra coisa...Não foi e desculpem e não levem a mal mas é verdade! 

Numa das nossas consultas de rotina a nossa querida pediatra a Dra Ana disse-nos: "Está uma princesa mas têm aqui um grande desafio educativo." 

Nem paramos para pensar naquela frase, mas aos poucos fez sentido...

E que desafio... Ser Mãe e Pai é das melhores profissões do universo, mas a mais desafiante, põe à prova a nossa alma, o nosso corpo, a nossa mente, mas não a trocaria por nada, e desejo que venham muitos mais desafios destes...

4 anos de ti minha querida Be como cresceste agora sim deixas te de ser bebé, para uma sociedade mas para nós serás sempre bebé a nossa bebekas! 

4 anos e adoras: correr, brincar, passear, fazer coisas, plasticinas, princesas, cor de rosa, comer, fazer piqueniques, comer e muito outras coisas...

Mas em 4 anos aprendes-te a não gostar de tanta coisa também, não gostas de dormir, de ser acordada, de cogumelos, de estar em casa, de brincar sozinha, e temos a certeza que vais aprender a gostar e a não gostar de tantas outras coisas.

4 anos em que aprendemos a ser ainda mais felizes, acordas a sorrir, deitas-te a sorrir e temos a certeza que esse sorriso, essas gargalhadas são dadas porque és Feliz! 

Baby Be nunca te esqueças de sorrir sempre para a vida mesmo que a vida nem sempre sorria para ti! 

Agora sim posso dizer sem hesitar aprendi a amar-te e que amor este que cresce dia após dia, algo que não se explica sente-se toca-se respira-se!