quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Olha nos meus olhos


Nesta nova etapa tenho o privilégio de poder olhar nos olhos de mais de 300 pessoas por dia...

Sempre que me cruzo com uma pessoa nova, sorrio e olho para ela nos olhos e fico a pensar o que me está a tentar dizer, oiço-a com atenção mas nem sempre as aquelas palavras correspondem aquele olhar...

Estará feliz?
Triste?
O que diz o seu olhar?
O que será que me separa daquele olhar? O que tenho de diferente?
O aspecto fisíco? A roupa que tenho vestida? Ou o cargo profissional que ela ocupa e eu ocupo?

Quem é?
O que pensa?
O que sonha?

Quando aquela pessoa olha para mim o que pensará ela de mim?

Gosto de imaginar, de observar o que existe para além das palavras que me disseram e do olhar que me fizeram?

Nem sempre as conclusões são boas, os nossos olhos dizem tudo são o espelho da nossa alma!

Naquele olhar tudo é dito, no meu olhar eu digo tudo...

Apenas um sorriso, um olhar meigo, um abraço, uma palavra simpática, transforma um olhar seco translúcido num olhar brilhante e alegre...

Olhem para próximo, à nossa volta existe sempre mais alguém e afinal de contas desse alguem muito pouca coisa nos separa...

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Vão perceber agora a ausência

Estivemos ausentes muito tempo feitas as contas sem publicações de maior desde o dia 8 de Agosto. (Por sinal um dia bem especial)

Desde Agosto até agora a nossa vida deu muitas voltas umas boas e outras menos boas, mas afinal isto é que é viver.

Já tinha saudades de escrever de ouvir os vossos comentários mas sem inspiração não fazia sentido escrever, afinal todos os bons escritores têm os seus momentos. (Agora foi para se rirem um pouco)

A verdade, é que mais uma vez  aqui em casa aprendemos que os caminhos da vida mudam e muito sem que nada o faça prever.

Escolhi um curso com carinho e com amor, poderia ter escolhido outra área a  minha mãe bem tentou enfermagem, o meu pai dizia área da saúde ou gestão, mas eu odiava matemática (esta é a verdade) por isso gestão estava fora de questão área da saúde eu gostava mas... acho que fui teimosa! (Sim já torci a orelha milhões de vezes)

Mas a verdade é que apesar de tudo eu adorava fazer o que fazia, adoro crianças, acordar todos os dias com o sentido de vou ensinar mais isto ou aquilo, vou dar colo mimo, dançar pintar fazer teatro... um milhão de coisas em 8 horas de trabalho dava-me uma grande força de vontade!

Quando acabei o curso dizia a toda a gente, ser Educadora é o melhor do Mundo, mas eu queria mesmo encontrar um sitio onde ficasse lá sempre, andar a saltitar esqueçam não é para mim, e por esta razão concorri ao estado apenas 1 vez na vida!

Saltei mas pouco diga-se de passagem arranjei sempre emprego, sempre disse que queria morar em Lisboa e trabalhar em Lisboa, até porque sempre achei que as boas oportunidades estavam em Lisboa, (aqui devo estar também enganada) o primeiro emprego foi bom, depois de uma passagem por um colégio onde não me pagavam mas que eu adorei lá estar por tudo o que lá vivi e aprendi, mas sem dinheiro não dava e de cascais a lisboa sem receber jesus!... uma curta passagem pela área de seguros e pela área da saúde (tinha que aqui vir parar), eis que sem cunha apenas com luta e persistência consegui entrar para um Colégio grande em Lisboa, estava a delirar ganhava a tabela (coisa rara no mundo das educadoras de Infância), um ambiente extraordinário uma turma durante 3 anos onde tudo foi bom e onde as amizades ainda perduram, quando tudo corria bem e eu estava tão mas tão feliz a crise ou o destino veio dizer-me que não que ali não era o meu lugar e eu teria que sair, chorei muito mesmo, não quis aceitar, não percebi o porquê, mas segui mais uma vez em frente.

Procurei muito recebi ofertas de 250 euros para 8 horas de trabalho (sim podem ficar de boca aberta) e lá consegui arranjar vaga num colégio (substituição) mas pronto "quem sabe se não fico" dizia eu cá em casa, foram uns meses muito bons, mais umas amizades muito mas muito boas (elas sabem quem são), mas o final seria vir para casa outra vez, alguém um dia (essas amigas do coração) disseram, vê as coisas pelo lado o bom vais aproveitar a tua princesa vê-la crescer e o espaço vai aparecer tal como tu mereces!

Talvez elas tivessem razão tudo vem com uma lógica e assim foi uns meses em casa (que bem que souberam), levava a B. a natação (agora esqueçam nada disso), ao colégio as 9h30 ou 10h ia busca-la as 15h30 que dias magníficos!!! Mas a verdade é que nunca estamos bem porquê????

Achei que estava na altura de começar algo, na área não havia nada, outras áreas mas o quê? Uma Educadora de Infância não pode ser médica, veterinária, enfermeira, gestora, bancária... Uma Educadora de Infância na realidade tira uma Licenciatura de 4 anos tal como a maioria dos cursos mas a saída profissional é reduzida.

Achei também que concorrer a outra área seria desistir de ser Educadora, não iria estar a concorrer a outra área para 3 meses a seguir encontrar uma proposta como Educadora e sair de onde um dia me tinham até dado uma oportunidade, não me parece profissional e eu não consigo ser assim.

E assim foi em Setembro decidi concorrer a outras áreas, decidi que ser Educadora era o que eu amava, o que eu queria mas precisava de estabilidade profissional para conseguir ter estabilidade pessoal, ninguém consegue realizar projectos e sonhos se de ano a ano fica desempregada ou de 3 em 3 (era o meu caso), foi uma facada, foi uma decisão muito difícil, chorei muito mais uma vez, tentava encontrar uma razão para toda esta caminhada, para todo este esforço... Perguntava porquê mil vezes ao dia...

A área da saúde estava lá e dia 14 Setembro comecei uma nova caminhada, tem sido uma descoberta e se perguntei tantas vezes porquê encontrei já algumas respostas, em quase dois meses aprendi que a vida não tem caminhos perfeitos, que tudo pelo que já passei não é nada a sério acreditem, nada mesmo, que os olhos da outra pessoa dizem muito mesmo, que se pararmos um pouco para respirarmos o ar do cidadão ao lado vamos perceber o quanto felizes somos!

Sei que ainda tenho uns quilómetros a percorrer, não fui bem para aquilo que queria mas a luta faz parte do meu caminho e como disse uma colega minha uma vez "Deus só dá o fardo que cada um de nós consegue suportar", por isso agora nesta nova caminhada tenho lutado e assim continuarei para chegar até onde conseguir, e acredito que algo de muito bom ainda está para vir!!!!

Com tudo isto, os horários alteraram-se os turnos fazem agora parte das nossas vidas, os sábados de manhã também enfim esta é a parte pior, a gestão não é fácil mas nós temos aguentado como uns senhores, a B teve uma adaptação horrível ao Colégio, a mãe emagreceu uns valentes quilos, o pai também e por cá tivemos a necessidade de fazer uma pausa maior de tudo o que era tecnologia e aproveitar muito mas muito os momentos a três.

Continuamos a aprender todos os dias a gerir este dia-a-dia tão diferente do que estávamos habituados.

Aproveitar, viver, sorrir e ser feliz sempre foi o nosso lema mas agora carrega um significado maior!

Por aí se houver experiências parecidas ou não podem partilhar sabe sempre bem!