sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Uma semana de colégio e férias... Querias minha rica filha!! Nós vamos namorar!

A primeira semana de colégio foi um sucesso, esta miúda está mesmo crescida!!

Continua muito entusiasmada com o ensino e a adorar tudo, diz que a Professora é muito querida e ontem ao jantar saiu-se com esta: "Só podia mãe tem o meu nome eu também sou mesmo querida" ( já diz o ditado "presunção em água benta cada um toma a que quer" ) mas por acaso és muito querida! ( sim sou uma mãe babada )

Assim que percebeu que hoje era sexta-feira iniciou a conversa das férias, digamos que, um fim de semana fora de casa para ela significa estar de férias e dois dias passam a ser duas semanas...ehehe!( Inocência infantil )

Os avós na verdade contam os minutos para estar com ela, não lhe disse nem que sim nem que não, e hoje assim que fiquei sozinha combinei tudo com a minha mãe, pedi para eles virem buscá-la e passar lá o fim de semana, e claro os meus pais aceitaram logo, ainda passaram aqui em casa depois do colégio, vinha feliz da vida buscar apenas o saco da roupa, nem queria entrar dentro de casa, no entanto disse-lhe para ligar ao pai que ainda estava  a trabalhar para pedir autorização ( não é necessário mas eu gosto que o faça), assim fez e o pai deixou!

Nós adoramos a nossa filha mais que todo o universos junto, sentimos a falta dela, no entanto necessitamos também destes momentos, aliás todos os casais se tiverem essa oportunidade deviam fazê-lo (1 vez por mês).

Sabemos que estás bem e muito feliz, e por isso nós vamos fazer o relógio andar devagar e tranquilamente vamos aproveitar este tempo a dois...💛
 
 
 ( Fomos a Paris ainda não existia Be e voltavamos para namorar sem hesitar )
 



 


 

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

(In) Fertilidade -Acreditar muito!




No outro dia conheci através de uma amiga esta página, ser Mãe é um sonho de muitas mulheres, umas conseguem realizar este sonho com uma perna às costas outras não conseguem e outras conseguem mas de um modo mais perneta.
 
Não vou falar muito sobre este tema até porque tenho um texto da autora da página para partilhar convosco podemos não ser muitos por aqui, mas os que somos já dão voz a este tema que tanto precisa, é um assunto sério, um assunto que não devia ter filas de espera ou listas, não devia custar um cêntimo a nenhuma Mãe nem nenhum Pai...
 
Leiam com atenção com carinho hoje podemos ter filhos e até nem nos custou nada foi quando queríamos, amanhã não sabemos, vão conhecer a página e coloquem gosto para que este tema ganhe voz, ganhe vida!

 
Obrigada de coração

"A cegonha é um pássaro grande e desengonçado. Lembra-me ideais de liberdade, de imprevisibilidade, de “quando tiver de ser”. São migrantes. Nem sempre estão onde gostaríamos que estivessem. Criei a página da cegonha perneta como projecto-embrião que pretende dar voz à (in)fertilidade e a todos aqueles, que como nós, só repararam em pleno voo que a sua cegonha trazia um embrulho cheio de paciência.

A infertilidade bateu-nos à porta e foi entrando de forma sorrateira. Não nos apercebemos logo que ela estava ali e que já se tinha acomodado.

Para uma grande percentagem das mulheres a maternidade é um projecto de vida. Por ser um projecto tão querido, não houve ano em que não questionasse em silêncio “Poderei eu ter filhos?” Tinha medo da resposta. Diagnosticaram-me ovários poliquísticos aos 15 anos. Quis saber se influenciariam os meus planos. As respostas sempre foram vagas. Pesquisei, falei com amigos médicos, cresci e conheci amigas, com o mesmo problema, que engravidaram rapidamente. Fui relaxando e decidi deixar o universo trabalhar. Esse universo que é perito em dar-me lições, mas lições cheias de oportunidade e sabedoria.

Casei. E com um casamento feliz veio a vontade de sermos pais. Exames de rotina, pílula no lixo e que comece a viagem. Passou um mês, dois, três e todos traziam a desilusão do negativo. Ao final de um ano decidimos investigar. A minha situação dificultava a concepção natural mas à partida não a impedia e antes de avançarmos para tratamentos ou exames mais invasivos, investigamos o meu marido. Oligozoospermia severa e Teratozoospermia moderada. OligoTerato…quê?? O telefone tocou e com ele a notícia de que havia um quadro de infertilidade masculina. Poucos espermatozóides e 0% de capacidade de progressão rápida. De imediato indicaram-nos para ICSI (micro-injecção inter-citoplasmática). Pedimos várias opiniões a especialistas. Avaliamos os tempos de espera no Serviço Nacional de Saúde, para um primeiro tratamento, se tudo corresse bem, teríamos de aguardar sensivelmente 1 ano. 1 ano numa luta a braço de ferro com a idade. Ainda somos novos e classificados com um Bom grande no mundo da Fertilização in Vitro, mas sabemos que o tempo é rei e senhor e que a fertilidade da mulher entra numa curva grave e decrescente após os 35. Pusemos as cartas em cima da mesa. Fizemos contas. Definimos prioridades. Adiamos viagens, jantares e evoluções na carreira e decidimos avançar para o privado.

Desde então não há dia que não pense na sorte que temos por podermos pagar, um tratamento que seja, no privado. Os valores andam entre os 4000€ e 5000€ por um tratamento que pode não dar certo.

Dizia-me o Professor que dirige a clínica onde estamos a ser acompanhados: "Os tratamentos para a infertilidade são praticamente indolores. Só custa do pescoço para cima."

Só custa do pescoço para cima e tanto que custa. E quanto custará a um casal que não pode recorrer ao privado? Quanto custará a um casal que vai riscando as oportunidades do SNS porque não deram certo e porque há limite para o número de tratamentos? Quanto custará a quem recorreu ao público, investiu tudo o que tinha e viu-se sem dinheiro e sem esperança?

Para um casal que lida com a infertilidade, a vida tem tendência a fragmentar-se em duas partes. A parte do mês que aguarda a ovulação após o início do ciclo e regra geral, os 14 dias seguintes e que antecedem o teste de gravidez em busca de um milagroso positivo.

Quando o caminho são a Procriação Medicamente Assistida, rapidamente se aprende e domina todas as siglas, as IIU (inseminação intra-uterina), as FIV (fertilização in vitro), as ICSI (micro-injecção intra-citoplasmática), as TEC (transferência de embrião congelado) e se entra num labirinto em busca do ansiado positivo que se transforme numa gravidez a termo.
É difícil "viver vivendo" ao invés de "viver esperando".
A produtividade no trabalho cai e sobem os níveis de ansiedade, as crises de irritabilidade e muitas vezes a desilusão.

Falamos de um caso de saúde pública sob o olhar da Organização Mundial de Saúde. Falamos de 10 a 15% da população Portuguesa em idade reprodutiva que de forma natural não consegue conceber um filho. Falamos de um país envelhecido. Falamos de uma doença que luta a braço de ferro contra a idade. Falamos de uma grande franja da população que não conseguirá recorrer ao privado. Falamos de famílias esgotadas financeira e sobretudo emocionalmente.

É importante estarmos conscientes e fazermos o que estiver ao nosso alcance em direcção à mudança.

O tema é controverso e muitas vezes gera sentimentos de vergonha O assunto não tem de ser tabu. Calar não o faz desaparecer. Considero que o primeiro passo é aceitar e depois acreditar. Acreditar muito!"



Imagem da página Cegonha Perneta





O balanço...nova sala...novas aventuras!

Uma semana de colégio que está quase a terminar, não quisemos deitar foguetes antes do tempo, mas para já corre tudo maravilhosamente bem.
Tanto eu como o pai estávamos ansiosos com esta entrada no bibe Azul, porque conhecemos-te tão bem e sabemos que estar muito tempo sentada não é de todo o teu forte :) tu adoras brincar (e ainda bem) com 5 anos é isso que deves fazer na perfeição, és filha única (para já) e este último ano tem-se revelado menos fácil e tens sido posta a prova com momentos emocionais dolorosos, tivemos uma perda que nos abalou a todos e a ausência repentina dos primos (que não foram para o fim do Mundo estão apenas em Londres) revelou-se numa tragédia no alto dos teus 5 anos (e nós compreendemos), e tentámos nestes últimos meses fazer de tudo para tu voltares a ser o que eras e compreenderes que estas atitudes dos adultos não são feitas de ânimo leve muito menos de coração ao lado, custa a todos e é algo necessário se queremos seguir com a vida para a frente.

Desta forma nós optámos por estares 2 meses e meio de férias, eu fui operada a um ombro no final de Junho e a partir daí escola nem vê-la entre os avós, os primos que chegaram entretanto, e nós as férias fizeram-se (temos a perfeita noção que somos uns sortudos em conseguir proporcionar-te isso), mas este foi um tempo fundamental para os três voltarmos a estar em sintonia.

Outra forma de ultrapassar o feitio com que estavas a ficar foi sermos firmes, estavas a ficar numa criança super mimada e tudo o que é em exagero torna-se feio, e neste ponto estávamos a chegar a um limite, por isso as regras foram reforçadas, os castigos (infelizmente) teve que haver um mas foi à séria ( 1 semana sem televisão, tablets ou telemóveis) e tu respeitas-te sabias que tinhas errado, durante as férias não houve horários nisso deixamos o teu relógio comandar o teu corpo, fomos falando contigo sempre pela positiva e com muita calma sobre o colégio a nova sala o método, umas vezes ouvias outras dizias mesmo "Mãe a sério? estou de férias depois falamos" e eu e o pai respeitámos isso.

No domingo (véspera) do grande dia eu e o pai tivemos uma conversa com ela, porque ela começou a dizer que não sabia as letras e queria contra até 30 e que não era capaz entre outras coisas, e na nossa opinião toda aquela ansiedade não é justa nem correcta para uma criança de 5 anos, e calmamente explicamos que para nós pais não é importante que ela saiba ler escrever contar até 30 ou até 100, não queremos que fale Inglês espanhol e francês e que nade como uma nadadora de competição ou que dança como uma bailarina profissional, queremos primeiro que tudo e principalmente que ela seja feliz e que desfrute de cada momento, se no meio dessa felicidade ela conseguir aprender algumas coisas excelente, este é o nosso lema, por isso seja agora aos 5 anos ou seja noutro ano qualquer queremos que sejas feliz, que brinques, que saltes, que rias, corras e que no fim em cada momento lúdico destes aprendas porque assim tem que ser, como diz Benjamin Franklin " Diz-me e eu esqueço-me, ensina-me e eu lembro-me, envolve-me e eu aprendo".

Ela ouviu-nos com atenção muita atenção mesmo, e reteu estas nossas palavras, até agora apesar de estar num colégio com método de cartilha Maternal as educadoras por onde tem passado têm este lema e tudo é dado de uma forma muito lúdica e por isso continuamos satisfeitos com a nossa escolha, só espero que assim continue e que no 1 ano não apareçam os trabalhos de casa que tanto somos contra :)
O tempo passou e chegou o primeiro dia acordaste bem-disposta e regressaste ainda mais feliz! ("Mamã afinal é só coisas fáceis") foi a tua primeira frase assim que viste a mãe.

No segundo dia foste feliz e vieste radiante... (tinhas aprendido a primeira vogal o "i" e até estiveste a escrever, há noite antes de dormir dizes "Mãe daqui a nada já sei escrever e vou fazer uma carta de amor para o pai dar-te." Ahahah boa filha )

No terceiro dia até parece mentira mas de sorriso foste e sorriso vieste. (fizeste uma pequena birra porque querias brincar com uma amiga que adoras a "sua kika" como dizes mas depois passou)

Hoje foi dia de check up aos olhos (depois conto) e a seguir foste para o colégio, hoje mais triste por causa da roupa não ser de princesa, mas ias com vontade e ficaste bem é o mais importante, vamos ver como termina o dia e como corre o de amanhã esperemos que seja sempre assim.

 
 
 

 
 
 

 
Sempre com um sorriso, sempre de vestido  e orgulhosa por se sentar numa mesa de crescidos!


 


quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Amanhã não irei ter uma sala nem meninos para abraçar...

Pensei muito antes de escrever sobre este tema, mas se a finalidade do blog foi e será sempre escrever sobre ti, sobre nós e sempre que a alma me pedir, afinal escrever é algo que adoro então assim o farei. Este texto não é sobre ti, nem sobre nós é somente sobre mim e mais uma centena se não um milhar de pessoas que estão como eu.
Em 2006 terminei a minha tão desejada Licenciatura aquela em que a minha mãe não foi nada a favor mas que eu teimei que queria,  simplesmente porque quis seguir a minha paixão (as crianças). Enquanto as minhas colegas andavam loucas a enviar currículos eu estive de férias, com os meus pais a melgarem-me porque não tinha emprego, porque o curso não me ia dar futuro etc etc.
Na última semana de agosto fui entregar os currículos estava tranquila o meu avô tinha,-me ensinado que quando temos vocação, paixão e dedicação tudo se consegue e eu tinha tudo isto (desculpem o ego) mas tinha e também levava comigo a certeza que tinha escolhido a melhor faculdade (ou seria este o peixe que tinham-me vendido), a verdade é que dia 1 de setembro estava a ser chamada e entrei para aquele colégio, dia 1 de setembro de 2006 estava empregada a fazer aquilo que mais amava, verdinha que nem uma alface onde a teoria tinha sido excelente mas a prática era muito diferente, onde os estágios renderam-me muita aprendizagem, mas agora era tudo diferente, passaram-se dois anos e mais uma vez tive que mudar de vida levava na bagagem muitos conhecimentos, muito crescimento pessoal e profissional afinal o Mundo do trabalho era mesmo extraordinário, rapidamente corri em busca de outras oportunidades agora mais perto da zona onde morava e lá consegui novamente, um local mais familiar, um patrão que era uma pérola mas que percebia muito pouco do negócio, e durante quase dois anos recebi o ordenado de janeiro em março, os subsídios eram pagos sabia eu lá quando, ali chovia em algumas salas, por vezes tudo parecia surreal, mas onde o amor pelas crianças transbordava, onde a dedicação era mais importante que um ordenado, onde a paixão de cada funcionário era maior que um oceano, onde havia colegas amigas que às vezes também discordavam mas que na verdade nunca se chateavam a sério,  ali o Sr Eng não sabia gerir a escola dele nem os funcionários mas nós fazíamos o nosso melhor pelos melhores do Mundo (as crianças ), a Maria era mais que nossa mãe e ensinou-me mais que uma profissão, mais que uma pedagogia mais do que muita coisa, mas como nem tudo são rosas e as despesas continuavam a cair e eu queria mais profissionalmente tive que ir a luta, e no dia em que o telefone toca para ir a uma entrevista para um colégio grande, um colégio que tinha sonhado pemsei "é isto", aqui ia aprender muito mais, aqui ia ser o meu futuro e agarrei-me a esta oportunidade fui a uma entrevista ao Louriçal a 173 km de Lisboa sem saber se ia ficar, fiz testes, conversei e saí conforme entrei sem saber o que ia acontecer, passou-se uma semana e nada, na altura estava a trabalhar como admnistrativa num hospital não era na minha área mas sabia que mal não fazia muito pelo contrário iria trazer-me crescimento pessoal e profissional muito bom, comecei então a ligar mas não havia respostas liguei uma duas até que na 5 chamada alguém me pediu para ir ter a x horas ao colégio, nem queria acreditar tinha conseguido, cheguei pediram-me para esperar, a ansiedade era de tal ordem que aguardar 4 horas nem foi nada, subimos então para uma sala eu mais 15 pessoas já não sei precisar muito bem sei que pensei "ok desta não passo", ouvi tudo com atenção até que percebo quando anunciam as salas e as equipas que eu não estava em nenhuma entrevista mas sim já tinha sido selecionada  (aqui fiquei com um misto de felicidade medo angústia sei lá eu) tudo era diferente dos outros colégios que tinha estado, a exigência, a forma de trabalhar, o método tudo...reuniões, documentos, sala e o grande dia chegou recebi uma turma de 25 alunos de 3 anos cada um com o seu feitio, um grupo de 25 pais super ansiosos, mas havia algo que tinha em mente ainda do tempo em que estudava (é que tudo é maravilhoso, mas a verdade é que os pais deixam nas mãos o que de mais importante têm na vida com um ser humano que se ri para eles todos os dias que até diz umas palavras carinhosas, mas no fim fecha-se a porta e só nós sabemos o que se passa, e se encararmos isto como se estivessemos do lado de lá da porta então tudo vai correr muito melhor), e assim foi o meu lema durante 3 anos que passaram a voar, aqui vivi um sonho com dias muito bons outros menos bons, sempre de sorriso e abraços prontos para dar, lágrimas para deitar, aqui consegui ser eu mesma, errei muitas vezes e aprendi com as quedas, aqui voltei a mostrar como amo esta profissão e acho que fiz um bom trabalho, aqui tive o melhor do nosso Mundo a nossa Be, passaram-se 3 anos e quando achei que tinha conseguido, quando achei que não me ia preocupar mais com o futuro veio a crise e...fiquei desempregada! Chorei muito sozinha em casa perguntei vezes sem conta porquê ainda hoje pergunto de uma forma mais serena e a verdade é que tem que ser não há uma explicação, trouxe memórias que ninguém apaga, colegas que ficaram amigas, conheci profissionais excelentes, pais que se tornaram mais que isso alunos que ficaram amigos! 
A luta voltou à carga agora mais difícil agora os anúncios eram escassos e quando respondiam era "agradecemos o envio mas tem experiência a mais" ou nem respondiam nas entrevistas ouvi coisas do estilo " tem de facto um excelente currículo mas 30 anos já é alguma idade para uma educadora" ou " já é mãe pois sabe isso é incompatível com esta profissão" e tinha mais para dizer mas e exemplos mas nem vale a pena, fiz ainda uma substituição num colégio fantástico mas depressa terminou as substituições são mesmo assim, e foi aqui que deparei-me com a maior dificuldade de todos os tempos, nem uma resposta os anúncios eram cada vez menos, fiz de tudo e nada, aderi a grupos de Educadores e vi que não era a única o que me fez desesperar ainda mais, mas engoli em seco e concorri a outras áreas pensei bem tenho facilidade em aprender, gosto em trabalhar de certeza que rapidamente consigo, mas a verdade é que este é um curso muito específico e os directores de RH da maioria das empresas nem se dá ao trabalho de conhecer a pessoa e perceber se tinha ou não aptidão para ingressar na sua empresa, não se dão sequer ao trabalho porque isso dá muito mais trabalho, dar oportunidade a outra pessoa porque um diploma em gestão é visto com outros olhos um gestor pode ser analista informático e etc, mas um educador será apenas um Educador! 
Consegui entrar para um grupo hospitalar como admnistrativa não porque tenho um curso superior ou porque deram-me a oportunidade apedar do curso que tenho mas sim porque a exigência para este cargo é o 12 ano a partir daí é uma mais valia, contínuo nesta empresa que respeito muito por deixar-me provar que consigo fazer mais do que ser Educadora de Infância, mas para mim é pouco não estudei apenas para isto, sei que consigo muito mais sei que posso ganhar muito melhor e tenho habilitações para isso e é aqui que também dói muito já não chega ter que deixar para trás aquilo que mais amo ainda tenho que fazer algo que paga tão mal, crescer profissionalmente torna-se muito difícil nestas empresas e ficamos neste impasse com os anos a passar...
Amanhã inicia mais um ano lectivo e o meu desespero e angústia é o de centenas ou milhares de Educadores basta ir a uma pequena página de facebook e percebemos isso, mais um ano civil está quase a terminar e muitos de nós continuamos a ganhar 500 euros a trabalhar num continente, numa primark num hospital da luz lusíadas ou cuf, num café ou num restaurante, muitas outras de nós  estão em casa porque não querem desistir ou não vos dão essa oportunidade, esta é a realidade do meu país que continua abrir cursos de Educadores e Professores, quando oiço na rádio anúncios da minha faculdade a dizer que a taxa de empregabilidade é de 96 % só me apetece perguntar onde e a verdade é que um dia escrevonpara lá a perguntar.
Amanhã inicia-se um novo ano onde eu não vou estar presente, onde os lápis e as agendas ficaram nas parteleiras dos supermercados para quem teve e tem a sorte de ter conseguido.
Amanhã inicia-se um novo ano onde eu não vou ter sala, nem meninos para abraçar, nem fraldas para colocar ou lágrimas para secar, amanhã vou acordar com uma dor no peito mas com vontade e garra para continuar porque amanhã estarei viva para lutar por um futuro melhor se não conseguir fazer o que tanto gosto só quero lutar por outra profissão que me deixe crescer, onde eu trabalhe mas onde seja recompensada por isso, amanhã será um amanhã igual a tantos outros mas diferente para mim porque eu vou acordar com a certeza que não vou baixar os braços e que a minha luta um dia vai ter retorno.
Amanhã não entrarei num colégio mas amanhã e depois e sempre continuarei a ser Educadora de Infância com muito Orgulho e posso estar a fazer tudo o resto com um brio profissional que está dentro de mim porque quando faço é para dedicar-me a 200% mas não esquecerei o curso que tirei.
Amanhã e depois e sempre respeitem os profissionais de Educação lembrem-se que se são admnistradores de empresas, engenheiros, médicos, enfermeiros, gestores,directores foi graças ao vosso mérito mas não o tinham conseguido se todos os dias não tivessem alguém dentro da sala para brincar com vocês, dar-vos as primeiras lições, ajudarem-vos nos primeiros passos a saberem partilhar socializar a  serem autónomos a ajudar-vos nas primeiras letras nos primeiros números e muitas outras conquistas, afinal não tirámos diploma de médicos nem engenheiros, nem gestores, nem de outra categoria qualquer que a sociedade acha mais importante mas tirámos um diploma que a sociedade muitas vezes despreza mas nele cabe todas as profissões durante 8 horas de trabalho e ainda dá tempo para um abraço e um sorriso, conseguimos ainda ser as mais belas e mais belos no dia em que estamos horríveis, conseguimos ser cantores mesmo cantando muito mal,  não estamos o dia todo sentadas às vezes nem há tempo para isso, o nosso computador ou o nosso doente são na realidade 25 computadores 25 doentes todos ao mesmo tempo e muitas vezes em simultâneo que querem ir casa de banho, comer, entre outras coisas, imaginem-se Srs Dr Eng Directores Enfermeiros etc a darem 25 vacinas em simultâneo, 25 consultas ao mesmo tempo, 25 projectos para fazer e entregar no mesmo dia, assim são os nossos dias 25 projectos de raíz que entregamos todos os dias conforme nos entregaram a nós e ainda colocamos uns extras todos os dias uns pós de perlimpimpim cheios de conquistas novas! 




Obrigada





sexta-feira, 25 de agosto de 2017

É necessário tanto material? E com estes valores!

Nesta altura do ano vamos ao supermercado e só vemos as prateleiras logo a entrada cheias de materiais escolares, que todos os miúdos adoram, ontem li num blog que sigo e adoro podem espreitar Little Gui é de uma antiga colega minha uma professora excecional (mas isso posso falar noutra altura porque de facto esta profissão deu-me a conhecer pessoas grandes, pessoas que trabalham com amor)

Mas ela falava sobre a preparação do próximo ano letivo e eu já andava a escrever este post porque achei a lista da Be mais uma vez um exagero (principalmente nos preços praticados nas superfícies comerciais)

É verdade que defeito de profissão adoro tudo o que é coisas para crianças e infelizmente há dois anos que não consigo chegar a esta altura e estar a comparar as minhas canetas, os meus blocos etc porque infelizmente ser Educadora significa estar desempregada ou então fazermo-nos a vida é irmos para outras frentes (mas isto também posso falar depois)

Todos os anos aqui em casa (desde os 3) que recebemos uma lista com os materiais necessários para a Be iniciar o ano lectivo e todos os anos olha para a lista é acho que é um exagero, mas pensando bem até não é as crianças têm que ter materiais para explorar, para desenhar, colorir, cortar colar enfim para tudo, o que acho demais é as escolas não fornecerem a maioria destes materiais, afinal a maioria da população ganha o ordenado mínimo e para quem não conhece (felizmente) esta realidade o ordenado mínimo é pago a quem tirou uma licenciatura ou quem estudou até a 4 classe, e eu falo do que sei porque estudei 4 anos na altura numa das melhores faculdades de Lisboa em Educação (diziam) e vejo os colégios a oferecerem isso, e outras empresas que têm lucros brutais a pagar isto também.

O que significa que se a estrutura familiar for apenas esta no casal (que eu não sei como conseguem sobreviver ) estas listas são simplesmente para as pessoas terem um ataque de coração.

Não vi a lista de outros alunos noutras escolas mas pelo que ouvi seja público ou privado as listas são iguais dependendo do ano mais material ou menos material.

A Be tinha a seguinte lista


 
Fui com ela comprar tudo até porque gosto que ela perceba o que gastamos, e como se faz, se tinha ficado assustada com a lista fiquei ainda mais assustada com os valores 1 caixa de 12 lápis grossos giotto 7,49 em promoção whatt??????? E não havia escolhas porque marca branca nem havia e confesso que se não houver outro remédio teria que ser mas não pintam nada de nada e evito porque já sei, depois havia outra que era da Mapped mas uma colega minha disse-me logo que não eram nada bons, enfim sem escolha optamos por trazer uma destas e vamos ver se encontramos noutro sitio mais em conta, mas este era apenas um exemplo porque desta lista houve mais sustos destes! Já para não falar nas fardas... Um mês com custos elevados que não deve ser nada fácil para a maioria dos pais do nosso país!
 
Eu que ando sempre a dizer que queria que ela ficasse assim (todas dizemos confessem) agora digo mais :)
 


 

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Birras (que eu nunca acreditei), teimosia, personalidade... ou tudo junto!

Temos andado mais por aqui , para quem ainda não segue fica a conhecer este cantinho do Blog, torna-se mais prático fazer as publicações, as fotografias acabam por estar no tlm o que rapidamente também adicionamos, enfim uma série de facilitismos que nos fazem não escrever tanto por aqui.
Temos aproveitado alguns dias para descansar e estar contigo e não é os teus 5 anos que mudaram radicalmente as coisas muito pelo contrário e as birras (como todos chamam, eu prefiro dizer atitudes emocionais), os choros, os gritos, as respostas rápidas muitas vezes desagradáveis e até diria mal educadas (algumas vezes), o facto de seres desafiadora até mais não, tornam dias de calma em dias de completo stress...
Ontem por exemplo acordamos para mais um dia de fisioterapia da mãe, saímos de casa as 8h e já ias a chorar regressamos as 9h30 a chorar vinhas, saimos as 14h30 a chorar e voltas-te a rir, mas rapidamente começas-te a chorar ou a refilar já nem sabemos bem, hoje igual e portas-te pela primeira vez horrivemente mal na fisioterapia, senti mesmo vergonha pela primeira vez em 5 anos...
Motivos para isto como disse hoje uma senhora só existem 2 motivos:
1- Choras por tudo
2- Choras por nada
Tens que ser a última a falar, se grito sinto-me mal porque sei que não é a melhor maneira, se levanto a mão sinto-me ainda pior, colocar-te  a pensar não tem resultado, conversar também não, por isso já não sei bem por onde virar-me, mas quero acreditar que não serei a única e que este teus 5 anos são mais uma aprendizagem para nós.
O facto de chorares ainda se tolera bem, mas quando começas a argumentar e às vezes aos gritos faz-nos passar completamente, e é aqui que paro para pensar "Será tudo isto mesmo uma fase? ou estamos a educar-te da forma errada?"
Sim porque isto de ser Pai e Mãe não é tarefa fácil e também erramos, e hoje tinha que fazer algo diferente não sei se actuei bem , mas tinha que ser tirei-te as duas coisas que mais gostas e não há telemóveis para jogar nem TV e isto vai ser extensível ao resto da semana, desculpa mas tem que ser, a verdade é que nem pedis-te a seguir ao almoço fui deitar-te um pouco e foi mais uma choradeira porque não querias mas lá ficas-te e dormis-te 1 horinha apenas mas conseguis-te perceber que não estava para brincadeiras e nem vou estar minha pequena Be, sei que vai ser bom para ti.
Nem os 3 nem os 4 foram tão terríveis como estes 5 estão a ser, e se antes a desculpa ou a forma de perceber as tuas atitudes foi a minha mudança profissional que não me deixou muito tempo para estar contigo e antes estava, agora que tenho todo o tempo para ti não vejo onde está o erro, ou a desculpa, o pai e a mãe fazem de tudo para ter tempo de qualidade contigo.
O que nos vale é que este comportamento não é todas as semanas nem todos os dias, mas quando aparecem é de uma pessoa ficar esgotada, hoje particularmente fiquei mesmo de rastos, com o que ouvi e vi, e não consegui actuar na hora porque estava a fazer tratamentos e não me mexia, mas nada como encontrar outras formas foi  que fiz e enquanto dormis-te pesquisei muito e encontrei uma página que gostei do conteúdo e vou colocar em prática contigo acho que tem que ser mesmo por aqui Parentalidade Positiva, vamos ver se conseguimos tornar estes dias menos bons em dias agradáveis para em conjunto vivermos todos melhor.
Mais importante que todas as teorias é termos a conciência quando as coisas não estão a  ir bem, estarmos abertos para fazer alterações e principalmente os dois (Pai e Mãe) estarem em sintonia e isso estamos, por isso vamos lá colocar em prática se quiserem saber mais sobre este tema que estou a devorar e cada texto que leio fico a gostar mais é só irem aqui pelo menos senti que estou no caminho certo pois sempre acreditei que as crianças não fazem birras!
Quando não estás nestes dias "Não" ficas assim e ninguém acredita que tens estes dias:)
Serás sempre a nossa princesa!


terça-feira, 8 de agosto de 2017

Hoje o dia é nosso...Metade da vida juntos!

Hoje o dia é nosso, vamos ser egoísta e hoje pensamos só em nós no que construímos, no que vivemos, nas lágrimas que derramamos, nas gargalhadas que conseguimos dar!
 
Hoje o dia é nosso, podemos dizer que metade da vida que já vivemos foi juntos e vamos viver este dia intensamente é como se fizéssemos bodas de Ouro ou de Prata!
 
Acordámos juntinhos mais uma vez e abraçamo-nos que bom que soube este abraço teve um sabor especial.
 
No ano em que fizemos 15 anos escrevi-te isto que continua a fazer sentido, e voltava a escrever, nestes dois anos que passaram algumas coisas mudaram, vivemos momentos únicos uns de grande alegria mas outros de alguma tristeza.
 
Este ano tivemos muitos amigos que se divorciaram, não tem mal nenhum aliás se for para serem todos felizes é a melhor atitude que um casal deve tomar, mas confesso que mesmo nas nossas zangas (e sim temos algumas) não consigo imaginar a minha vida sem ti e tu sem mim, se me perguntarem o que vejo para o meu futuro poderia dizer mil e uma coisas que tenho em mente mas a principal de todas é que imagino um futuro contigo, a segurar na tua bengala, a colocar-te a placa nos dentes quando tremeres por todo o lado (se for assim que envelheceres) a dar-te a mão na calçada quando eu já não conseguir andar muito bem nem tu, é assim que quero o meu futuro.
 
O ano que passou deu-nos a maior provação de todas que alguma vez tínhamos tido, foi a maior perda que alguma vez imaginámos ter, dias e dias de sofrimento, mas juntos erguemos forças e apesar de não esquecermos seguimos em frente com os nossos medos e receios, foi neste episódio da nossa vida que mais uma vez vi o Homem que tenho ao meu lado, se um dia tiver a oportunidade de DEUS me perguntar quem és tu eu jamais hesitarei em dizer que és o Melhor dos Homens, o Melhor Marido, o Melhor Pai, és aquele que seca as minhas lágrimas, que consola a minha dor, que me dá na cabeça quando tem que dar, que me faz rir todos os dias, que me melga como mais ninguém me melga, que me irrita muitas vezes, que me faz ficar "fora de mim" com a sua teimosia e esquisitices, mas és sem dúvida o MELHOR.
 
Juntos demos grandes passos em frente e hoje neste grande dia quero agradecer-te pelo que vivemos juntos, e pelo que aí vem.
 
Se me perguntarem como se fica junto 17 anos nós não conseguimos dar a  receita a ninguém, mas consigo dizer-vos que não se mantém uma relação de 17 anos com o mesmo amor do primeiro encontro, com os mesmos beijos de criança, com a simplicidade da vida que se tinha há 17 anos atrás, esqueçam isso esqueçam o cor-de-rosa, os folhos, os brilhantes, uma relação de 17 anos transforma o amor do primeiro encontro em paixão, em companheirismo, em dedicação, em carinho, e volta-se amar todos os dias aquela pessoa mas de maneira diferente com outra intensidade, os beijos deixam de ser beijos de quem esteve uma semana sem se ver e tem que viver tudo naquele dia e passam a ser espontâneos, intensos, demorados ou não, mas de um carinho outrora não vividos, a simplicidade da vida de há 17 anos atrás torna-se muitas das vezes em stress, em reboliço, em contas por pagar, em filhos para educar, em casas para cuidar e trabalhos para manter e no meio disto tudo está um casal a tentar sobreviver, que consegue entre muitas discussões e cenas de amor transformar todas estas coisas novamente em simplicidade, porque no fundo a vida é simples a vida pode ser cheia de folhos e cor-de-rosa aliás a vida é da cor que cada um quer.
 
E nós quisemos pintar a nossa vida o nosso lar de várias cores, e no dia em que o preto e branco tenta entrar nós damos a volta, a verdade é que não se iludam, a vida custa não é simples é um desafio constante, cabe-nos a nós superar os desafios, como sempre disse o meu Avô haja saúde o resto é acrescento!
 
Obrigada por estes 17 anos
Obrigada pelo que já vivemos
Obrigada simplesmente por existires
Obrigada por seres quem és